trintemos :)

3 décadas de vida não me parecem muita coisa. Eu já vivi tudo isso mas ainda tenho um gosto de “é só o começo”, sabe? Continuo pensando como das inumeras formas que escrevi aqui: idade não é nada, a única preocupação fatual é não virar o tipo de pessoa que nunca gostei de conviver, e o respeito ao corpo que quase 60% da vida dei, como atleta informal, devo manter. Peso mais do que minha cabeça deveria ter deixado, e menos do que os dias complicados que vivi, impuseram. E isso só consigo ver agora, que estou mais “pra dentro que pra fora”.

trintei

Mais pra dentro que pra fora de quê?

de um modelo de vida que muito pouco tem a ver com a minha essência, minha natureza. Foram quase 5 anos trabalhando de 14 a 19 horas pra fazer dinheiro para deixar a vida da minha familia de pé e para constituir o primeiro ambiente da familia que vou construir. Uma hora a conta chega e o nome dela é duplo, de fácil entendimento e significado: burnout e depressão. Quando a gente começa a fazer as coisas, tem uma visão. Preço dado, preço pago. Cansei de falar para os outros que somos responsáveis por nossas consequências, e não me vejo lidando de maneira diferente. Estou mentalmente doente e preciso melhorar. Estou fisicamente defasado e também preciso melhorar. Para melhorar, precisa fazer. E estou indo :)

Como diz no post que está linkado, construi aquilo que desejava. Tenho um padrão de vida do qual me orgulho, e profissionalmente, escolhi um novo caminho. Passei da conta como diretor de criação e, nos 14 meses anteriores, fazendo sozinho o trabalho de 3, 4 pessoas. Tenho a pressão direta e indireta das familias, para manter isso como estava, pois é o melhor para eles. Não é o melhor pra mim. Vivi tudo que escolhi, mas não vivi pra mim. Coloquei o que penso e sinto como consequencia do que fazia, e não como causa. Ai a cabeça adoece e o corpo sente. O que precisa fazer? Mudar! E continuarei mudando.

Graças ao blog e a (por enquanto) boa memoria, tenho na cabeça e dentro de mim o tony de 11-8 anos atrás, que utilizou tudo que as circunstancias e as pessoas ao seu redor lhe davam, e encheu a cabeça e o coração de vontade para fazer as coisas darem certo. Tenho aqui as vontades que ficaram acumuladas, os planos de cotidiano, os projetos de vida, os caminhos pelos quais devo aprender para chegar em outros caminhos e seguir, vivendo. Com o plus de ter 11-8 anos de erros e aprendizados para não repetir. E com a plenitude de quem está muito à vontade para exercer qualquer escolha que a cabeça e o coração estejam cheios de vontade, para simplificar a vida e amplicar o significado de felicidade. Deixando, como em outras oportunidades, o resto ser apenas o resto.

sem música!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *